VERDADEIRA UNIDADE NO VERDADEIRO ESPÍRITO
O Verdadeiro Ecumenismo reflete a Unidade Cristã, na Igreja Católica, e NÃO significa uma reunião de todas as religiões, cristãs e não cristãs.
Nós católicos devemos ter em mente que a finalidade do Diálogo Inter-religioso é buscar a Unidade em Jesus Cristo, a pedido Dele mesmo.
Devemos entender que não somos nós cristãos que temos de absorver conceitos de outras religiões, sobretudo de espiritualidades não cristãs. Por vezes, há certo exagero na busca do entendimento, acolhimento ou simpatia com outros grupos religiosos, ocasionando sérias mutilações na expressão clara do mistério da fé católica, e levando ainda a concessões indevidas quanto às exigências objetivas da moral católica. Ecumenismo não é buscar a unidade a qualquer preço.
E é o que está ocorrendo, uma verdadeira inversão absurda, bem semelhante ao Falso Ecumenismo preconizado pelo New Age, inversão que contraria toda a finalidade do diálogo inter-religioso.
Assim, o movimento New Age anuncia o fim das religiões e o nascimento de uma nova religião mundial.
O objetivo é promover, a partir da unidade espiritual, o que chamam de "A Nova Ordem Mundial", uma unidade política e econômica, com o mundo sendo guiado por um só líder mundial (do anticristo).
A criação de uma nova religião mundial única implicaria imediatamente a proibição de qualquer outra religião. Significa o fim do cristianismo. A proibição de ser cristão.
Em alguns sites católicos, podemos observar espaços dedicados ao diálogo inter-religioso, nos quais falam de budismo, islamismo...por exemplo, além de outras espiritualidades anticristãs.
Alguns padres, conscientes ou não, incentivam, e até promovem esse falso ecumenismo.
De fato, não pode haver ecumenismo que parta da fusão de religiões cristãs e não cristãs, pois a Unidade deve ser Cristã. Em Cristo. E mais: Na Santa Igreja Católica.
Assim, repita-se, o objetivo é evangelizar, e NÃO absorver conceitos completamente opostos ao cristianismo, porque sem dúvida, isto é FATAL. Tal inversão deve ser rejeitada.
Conhecer as demais religiões não quer dizer que devemos abandonar nossa fé católica e compartilhar de seus conceitos.
"Há caminhos que parecem retos ao homem, e, contudo, o seu termo é a morte.”
(Provérbios 16:25).
Sabemos, mas não custa repetir:
O Ecumenismo não é a modificação da fé católica. Não se trata de mudar o significado dos dogmas, de adaptar a verdade aos gostos de uma época! 
Em Pentecostes falaram-se línguas diferentes, mas em torno da mesma fé, em torno de Nossa Senhora, em Unidade plena.
O Papa Pio XI lembrava que a única religião verdadeira é a católica, e que a Igreja de Deus tem que ser visível, enquanto que os ecumênicos "julgam que a Igreja é uma federação de várias comunidades cristãs, embora aderentes cada uma delas a doutrinas opostas entre si"
Outro problema sério é aquele das igrejas pentecostais, igrejas apimentadas, que são sectárias e hostis a todo ecumenismo. Com essas – como sabemos todos nós por experiência – é impossível o diálogo..
 Durante um encontro oficial islâmico-cristão na Turquia, um reconhecido personagem muçulmano, dirigindo-se aos participantes cristãos, disse em certo momento, com calma e segurança:
"Graças a suas leis democráticas nós os invadiremos; graças a suas leis religiosas os dominaremos". Essa afirmação deve ser acreditada, comentava el Bispo, dado que o "domínio" já começou com os petrodólares, utilizados não para criar trabalho nos países pobres do Norte da África o do Oriente Médio, mas para construir mesquitas e centros culturais nos países cristãos de imigração islâmica, incluida Roma, centro da cristandade. Como não ver em tudo isso, pergunta-se, um claro programa de expansão e reconquista?
Fazendo frente à investida islâmica no ocidente, a melhor reposta é voltar a ser católicos seriamente, tanto na esfera individual como na pública, não deixando de lado o ideal da Cristandade.
Se os muçulmanos não veem isso, de modo algum nos respeitarão.*
O muçulmano é um homem que crê em Allá, que reza, que dá esmolas, que peregrina e que sabe que será julgado mais adiante, o que o faz superior a todos os ateus do ocidente. E assim se sente.
Ecumenismo e Apostasia são duas palavras com a mesma e única significação. Se Jesus fosse ecumênico, teria abraçado os fariseus, os saduceus e todos os escribas juntos. Basta ler a 1 Timóteo 4:1-3; 2 Timóteo 3:1-9; 2 Tessalonicenses 2, para se chegar à conclusão de que O Ecumenismo e a Apostasia estão pavimentando a estrada para a vinda do Anticristo.

Um comentário:

  1. Una, santa, católica e apostólica: esta é a Igreja que devemos crer e professar já que é isso o que a ensina a fé. Nesta Igreja cremos com firmeza e com simplicidade testemunhamos. Fora dela não há salvação, nem remissão dos pecados, como declara o esposo no Cântico: "Uma só é minha pomba sem defeito. Uma só a preferida pela mãe que a gerou" (Ct 6,9). Ela representa o único corpo místico, cuja cabeça é Cristo e Deus é a cabeça de Cristo. Nela existe "um só Senhor, uma só fé e um só batismo" (Ef 4,5)

    Papa Bonifácio VIII - 18.11.1302

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENÁRIO OU ESCREVA PARA NÓS PELO E-MAIL:
apostolosdarosamistica@hotmail.com