.

.
A QUEDA DOS ANJOS
"Para isto é que o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do Demônio" (IJo 3,9).
A doutrina da Igreja Católica, através de seu Catecismo, ensina que na alegoria do Éden, "por trás da desobediência de nossos primeiros pais há uma voz sedutora que se opõe a Deus e que, por inveja, os faz cair na morte".
E acrescenta: "A Escritura e a Tradição da Igreja veem neste ser um anjo destronado, chamado Satanás ou Diabo (cf. Jo 8,44). Com efeito, o Diabo e outros demônios foram por Deus criados bons em (sua) natureza, mas se tornaram maus por própria iniciativa".
E isso está muito claro em inúmeras passagens da Sagrada Escritura, Jesus denunciou os sacerdotes e doutores da lei de sua época, bem como todos os outros conspiradores que formam a sinagoga de Satanás:
"Vós sois os filhos do diabo, e cumprem a sua vontade. Ele é um homicida desde o princípio. Não possui a verdade porque a verdade não está nele" (Jo. 7,44)

Sobre a pena aplicada aos anjos decaídos, ensina a Igreja com a sua tradicional fidelidade a Jesus, o Verbo Encarnado, que o caráter irrevogável da condenação dos anjos caídos deve-se à sua opção, ou livre escolha, e não a uma deficiência da infinita misericórdia divina. 
Portanto, a rebeldia deles ao Criador, uma vez assumida deliberadamente no mundo espiritual, ao recusarem as perfeições infinitas do Criador, faz com que o pecado dos anjos não possa ser perdoado.
"Não existe arrependimento para eles depois da queda, como não existe para os homens após a morte"
O homem, assim como o anjos, tentado pelo Diabo, deixou morrer em seu coração a confiança em seu Criador (cf. Gn3,1-11) e, abusando de sua liberdade, desobedeceu ao mandamento de Deus. Foi nisto que consistiu o primeiro pecado do homem (cf. Rm 5,9). Todo pecado, daí em diante, será uma desobediência a Deus e uma falta de confiança em sua bondade" (CIC 397).
Assim, "neste pecado, o homem preferiu a si mesmo a Deus, e com isso menosprezou a Deus: optou por si mesmo contra Deus, contrariando as exigências de seu estado de criatura e consequentemente de seu próprio bem. Constituído em um estado de santidade, o homem estava destinado a ser plenamente 'divinizado' por Deus na glória. Pela sedução do Diabo, quis 'ser como Deus' (cf. Gn 3,5), mas 'sem Deus, e antepondo-se a Deus, e não segundo Deus'" (CIC 398).
"A Escritura mostra as consequências dramáticas desta primeira desobediência. Adão e Eva perdem de imediato a graça da santidade original (cf. Rm 3, 23). Têm medo deste Deus (cf. Gn 3,9-10), do qual fizeram uma falsa imagem, a de um Deus enciumado de suas prerrogativas (cf. Gn 3,5)" 
Não é por acaso que a humanidade vive hoje o devastador efeito do tsunami moral e espiritual iniciado há milênios no confronto aberto entre os filhos da Mulher e os filhos da serpente.
Depois da queda, o homem não foi abandonado por Deus. Ao contrário, Deus o chama (cf. Gn3,9) e lhe anuncia de modo misterioso a vitória sobre o mal e o soerguimento da queda: "Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar" (Gn3,15)
Nesta passagem a Igreja reconhece o primeiro anúncio do Messias redentor, a do combate entre a serpente e a Mulher (Maria) e a vitória final de um descendente desta última (Jesus).
"A tradição cristã vê nesta passagem um anúncio do 'novo Adão' (cf. Rm 5,19-20), que, por sua 'obediência até a morte de Cruz" (Fl 2,8), repara com superabundância a desobediência de Adão (cf. Rm 5,19-20). De resto, numerosos Padres e Doutores da Igreja veem na mulher anunciada no 'protoevangelho' a mãe de Cristo, Maria, como 'nova Eva'. Foi ela que, primeiro e de uma forma única, se beneficiou da vitória sobre o pecado conquistada por Cristo: ela foi preservada de toda mancha do pecado original e durante toda a vida terrestre, por uma graça especial de Deus, não cometeu nenhuma espécie de pecado"
Durante todo o advento do Cristianismo ocorreram inúmeras tentativas de infiltrações tendo o ápice dessas investidas sido alcançado durante a eclosão do Iluminismo e da Revolução Francesa, ambos gestados e paridos pelas sociedades secretas luciferinas.
O resultado foi o declínio da civilização cristã e a consequente cultura da morte que vivenciamos hoje. O antiteísmo moderno apresenta-se como a escolha definitiva do homem que nega Adonai e proclama Lúcifer como a imagem mais precisa com que define a si mesmo.
E, por isso mesmo, uma estranha sensação de iminência paira no ar, causando as mais diversas reações e um indefinível mal-estar.
De fato, uma coisa é certa: a humanidade encontra-se diante de sua definitiva escolha: aceitar deliberada e conscientemente o plano de dominação de Lúcifer ou, então, pela obediência da Fé, render-se à verdade libertadora, proclamada à custo do sacrifício de sangue do Cordeiro de Deus, Nosso Senhor, que veio para a remissão dos pecados do mundo.
Ainda que a Conspiração Luciferina labore para relativizar, negar e mesmo ocultar essa inevitável vitória, pela graça de Deus e do Cordeiro, pelos méritos da Santíssima Virgem e de todos os anjos, santos e mártires da Cristandade, antecipadamente anunciamos não a derrota, mas celebramos o triunfo derradeiro da Vida sobre a morte, porque: "O príncipe deste mundo já está julgado e condenado" (Jo 16,11). 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENÁRIO OU ESCREVA PARA NÓS PELO E-MAIL:
apostolosdarosamistica@hotmail.com