MARIA, MÃE DE DEUS OU 
MÃE DE JESUS ?
"Donde me vem esta honra de vir a mim a Mãe de meu Senhor?"  (Lucas 1, 43)
Em (João 1,1) diz o seguinte," No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus".
Em (João 1,14) diz: " E o Verbo se fez carne e habitou entre nós" Estes dois versos dizem que Deus foi feito carne. A substância da carne de Deus na segunda pessoa, que é Jesus Cristo, veio de onde? Veio de Maria!
Cristo Jesus é UMA pessoa e não duas. Ele é UMA pessoa que possui duas naturezas: é inteiramente humano e inteiramente divino. As duas naturezas, contudo, são unidas em UMA só Pessoa.
É importante deixar bem claro que Maria gerou o Homem - Deus (Romanos 9,5) "e todos os Anjos o adoram" (Hebreus 1,6). Maria é, realmente, mãe de Jesus Cristo, homem e Deus, conforme o testemunho da Escritura (Gálatas 4,4).
Ela torna-se a mãe da pessoa de Jesus, na plenitude de seu ser humano e divino.
Lembremo-nos também quando Tomé chama Jesus de "Meu Senhor e meu Deus", (João 20,28) .
"O próprio Verbo, vindo por sua vontade à Bem-Aventurada Virgem, assumiu para si o seu próprio templo da substância da Virgem e saindo dela, fez-se completamente homem de modo que todos pudessem vê-lo externamente, mas sendo verdadeiramente Deus internamente. Portanto, Ele preservou sua Mãe virgem mesmo depois dela ter dado à luz"  (S. Cirilo de Alexandria, 430 dC).
Podemos e devemos chamar a Virgem Maria "Mãe de Deus" porque o termo da maternidade não é a natureza, mas a pessoa. E a Pessoa em Cristo é a 2ª da Santíssima Trindade, o Filho.
Em Maria se realiza, pois este mistério: ser Ela "Mãe de Deus e de Deus filha. Ela participa do mistério do seu Filho, que é Deus e Homem ao mesmo tempo.
Portanto, Maria foi pensada, amada e predestinada para ser o templo do Espírito Santo e Mãe do Deus Encarnado.
'Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e seu nome será chamado "Deus-conosco"'.
"Se alguém disser que a Santa Maria não é a Mãe de Deus, ele está em divergência com Deus. Se alguém declarar que Cristo passou pela Virgem como se passasse por um canal, e que não se desenvolveu divina e humanamente nela - divina porque não houve a participação de um homem, e humanamente segundo a lei da gestação - tal pessoa é também herege" (S. Gregório de Nanzianzo, "Carta ao Sacerdote Cledônio", 382 dC).
Ela não é Mãe de Deus na Primeira Pessoa, e sim na segunda Pessoa que é Jesus Cristo e Jesus não era metade homem e metade Deus, ele era 100% homem e 100% Deus. Isto é um grande mistério!
Ele é o único homem-Deus, uma Pessoa com duas naturezas não misturadas, mas unidas.

Nestório, Arcebispo de Constantinopla, opôs-se a Maria ser chamada de "a mãe de Deus" (theotokos), porque o que ela gerou em seu ventre e deu à luz não era a natureza divina de Cristo, mas sua natureza humana. Mas o Concílio de Calcedônia ratificou chamar Maria de "mãe de Deus", porque a pessoa que ela gerou e deu à luz era divina. É verdade, ela não gerou sua natureza divina, mas sua natureza humana; mas a pessoa que ela gerou era a segunda pessoa divina da Trindade. Por isso, ela é devidamente chamada de a Mãe de Deus!


Maomé, Krishna, Buda e outras figuras religiosas, mantiveram todos a afirmação de serem mais iluminados do que os outros, ou divinamente tocados, mas nunca que eram Deus. Como poderiam fazê-lo? Como poderiam eles comprovar suas afirmações? Porventura eles podiam ressuscitar os mortos? Podiam transformar água em vinho? Podiam andar sobre o mar?  Não!  Somente Jesus Cristo e unicamente Cristo, afirmou e provou ser Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENÁRIO OU ESCREVA PARA NÓS PELO E-MAIL:
apostolosdarosamistica@hotmail.com