MAIO: MÊS DEDICADO A NOSSA SENHORA
Os que ensinam e divulgam os louvores de Maria brilharão como estrelas por toda a eternidade!  (cf. Dan 12,3)
Todo o filho, em todos os momentos, principalmente nos mais difíceis, primeiramente, recorrem à mãe; com Nossa Senhora não pode ser diferente. Recorramos a Ela em todas as nossas necessidades e, refugiemo-nos debaixo da Sua proteção.
Somos filhos muito queridos de Maria, porque lhe custamos muitas dores. Fomos gerados aos pés da Cruz para sua Maternidade espiritual (Jo 19,26). Em geral, as mães têm mais predileções pelos filhos cuja vida mais trabalho e dores lhe custaram.
Pelo ano de 1604, viviam na cidade de Flandres (França) dois jovens estudantes que, descuidando dos estudos, se entregavam a orgias e devassidões.
Certa noite após frequentarem boates e lugares impuros, um deles, chamado Ricardo, retirou-se para casa, e o outro ficou.
Chegando Ricardo em casa, estava para acomodar-se, quando se lembrou que não havia rezado umas Ave-Marias, como era de seu costume fazê-lo desde muito jovem em honra da Santíssima Virgem. Inebriado pelo sono, sem nenhuma vontade para rezar, fez, contudo, um esforço e rezou as Ave-Marias, embora sem devoção e por entre bocejos, deitou-se e depois adormeceu.
Mas não tardou a ouvir bater à porta com muita força. Imediatamente, sem ele a abrir, vê diante de si seu companheiro de farras, mas desfigurado e medonho.__ Quem és tu? – perguntou aterrorizado.__ Tu não me conheces? – respondeu o outro.__ Mas como mudaste tanto? Tu pareces um demônio.!_ Ai, pobre de mim! – exclamou aquele infeliz, - que ao sair daquele baile infame, veio um demônio e me sufocou. O meu corpo ficou no meio da rua, e a minha alma está no inferno.
Sabes, pois, acrescentou, que o mesmo castigo esperava também a ti. Mas a bem-aventurada Virgem, pelo teu pequeno sacrifício das Ave-Marias, te livrou dele. Feliz de ti, se tu souberes aproveitar deste aviso, que a Mãe de Deus te manda por mim!
Depois destas palavras, o condenado entreabriu a capa e mostrou as chamas e as serpentes que o atormentavam e desapareceu.
Então Ricardo, chorando copiosamente, com o rosto em terra, deu graças a Maria, sua libertadora. Enquanto pensava como mudar de vida, E foi pedir aos frades que o recebessem. Dois religiosos foram à rua indicada, achando efetivamente o cadáver do companheiro, sufocado e negro como um carvão. Depois disso foi Ricardo admitido e levou uma vida penitente e exemplar.
Mais tarde foi como missionário pregar na Índia e em seguida no Japão, onde teve finalmente a graça de morrer mártir, queimado vivo por amor de Jesus Cristo.
Conta o evangelista S. Mateus, no capitulo doze, versículo 10 a 14 que Jesus, entrando na sinagoga (casa de orações dos judeus), encontrou um homem que tinha seca uma das mãos. Teve pena dele e disse-lhe "Estende a tua mão’’.Tendo-a estendido, Jesus restituiu-lha sã como a outra.
Extraordinário milagre! Grande bondade de Jesus.
Coisa semelhante conta-se na vida de S. João Damasceno, célebre Doutor da Igreja. Esse Santo, falecido em 780, era primeiramente prefeito da cidade Damasco, na Síria. Depois abandonou tudo (pois lera no Evangelho que é muito difícil um rico ganhar o céu) e fez-se sacerdote. No tempo de imperador Leão Isauro publicou-se leis perversas contra o culto das imagens.
Foi proibido venerar Nossa Senhora e os Santos. Grupos de pessoas, por ordem do imperador, andavam espedaçando todas as imagens que encontrassem. (Esses homens são chamados iconoclastas, isto é, destruidores de imagens). S. João, que sabia escrever muito bem, defendeu publicamente o culto e a veneração das imagens sagradas.
O governador de Damasco, cheio de ira, não podendo contra o zelo e o saber do Santo, mandou prende-lo e corta-lhe mão direita. Sem essa mão não poderia mais escrever.
Que faz S. João Damasceno? Devotíssimo de Nossa Senhora dirige-se a uma linda imagem, levando com a esquerda a mão decepada.
Aos pés de Maria, fez a prece seguinte:
-Minha boa Mãe, a Senhora sabe por que perdi a mão.
Foi para defendê-la. Se a Senhora me restituir, continuarei a combater os inimigos até a morte’’.
A boníssima Mãe não esperou que repetisse o pedido.
"Meu filho – disse-lhe ternamente – tua mão está curada, faze dela bom uso, conforme prometeste".
E a mão estava unida ao antebraço, deixando apenas ver uma leve cicatriz. Quem não vê nisso imensa bondade da Mãe de Deus e dos homens?
Um dia conta-se na vida de S. João Vianney, entre os peregrinos, estava à espera na igreja uma senhora de luto pesado. Encontrava-se muito aflita. O marido, irreligioso, tinha-se suicidado de uma ponte abaixo, morrendo sem os sacramentos. O Santo passa. E, antes mesmo de ela lhe falar, inclina-se ao ouvido e diz: “Está salvo!” A senhora perturba-se “Está salvo, digo-lhe eu”. A resposta é um gesto de descrença. Então o Santo, articulando bem cada palavra, acrescentou: “Afirmo-lhe que está salvo”. Encontra-se no purgatório e é preciso orar por ele. Entre a ponte e a água teve tempo de fazer um ato de contrição.
Lembre-se do altar, erguido em seu quarto durante o mês de Maio. Algumas vezes o seu esposo, apesar de irreligioso, uniu-se às orações. Foi isso que lhe mereceu o arrependimento e um supremo perdão”.



Um comentário:

  1. Com o início do mês de maio no dia de hoje, não poderia deixar de vir até o seu espaço para trazer minha mensagem de devoção a Minha Mãe e Rainha neste dia. No meu blog está também registrado a minha consagração que fiz neste dia.
    Que a Virgem Maria nos proteja.
    Geraldo

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENÁRIO OU ESCREVA PARA NÓS PELO E-MAIL:
apostolosdarosamistica@hotmail.com