LEVAR O MUNDO A CRISTO PELAS MÃOS DA IMACULADA
Eis a estrela brilhante da manhã que, após as trevas da noite, anuncia a aparição do Sol. Esta estrela bendita é a Virgem Maria!
A Virgem Santíssima jamais conheceu as trevas do pecado e a noite da culpa. Ela, a suave Mãe do seu e nosso Deus, é aquela montanha bíblica, misteriosa, que, na visão de Daniel, é a sagrada origem da pedra angular de nossa fé, Cristo, nosso Senhor. Que Ela, no encanto da sua maternal piedade, arrebate para o mais alto do céu, para o mais íntimo do seu coração, nossas almas ansiosas pela claridade meiga de sua glória, fascinadas pelo brilho do sobrenatural e do divino que sabemos resplandecer na sua imacu­lada e santíssima pessoa.
São Maximiliano nos recorda: “Para atrair as almas e trans­formá-las em si pelo amor, Cristo mani­festou seu amor ilimitado, seu coração inflamado de amor pelas almas, um amor que o impeliu a subir a uma cruz, a per­manecer conosco na Eucaristia e a entrar em nossas almas, deixando-nos em tes­tamento, como Mãe nossa, a sua própria Mãe”

São Maximiliano Kolbe nasceu aos 8 de janeiro de 1894, na Polônia, de família pobre e profundamente religiosa. Aos 13 anos entrou no seminário dos Frades Conventuais. Nos estudos, distinguiu-se de forma genial nas ciências e na matemática. Para os estudos de filosofia e teologia foi enviado a Roma, onde doutorou-se nessas faculdades com ótimas notas. Ordenado sacerdote em 1918, retornou à Polônia, onde foi designado para lecionar no seminário franciscano, em Cracóvia. A inspiração de toda a sua vida foi a Imaculada, a quem confiava o seu amor por Cristo. No mistério da Imaculada Conceição manifestava-se diante dos olhos da sua alma aquele mundo maravilhoso e sobrenatural da graça de Deus oferecida ao homem.

Desde criança, cultivou esse amor por Nossa Senhora, que o presenteou com uma aparição, quando tinha cerca de 9 anos. Na aparição, Nossa Senhora trazia nas mãos duas coroas, uma branca e outra vermelha. Olhando-o com amor, perguntou qual delas preferia. Com a branca ficaria santo, puro e com a vermelha morreria mártir. Maximiliano, então, respondeu que ficaria com as duas.

Segundo o Papa Paulo VI, São Maximiliano foi um dos mais genuínos e modernos apóstolos do culto a Nossa Senhora, vista no seu primeiro, originário, privilegiado esplendor, aquele da Imaculada Conceição. De fato, seu imenso amor e zelo por Maria, levou-o a instituir, em 1917, o movimento eclesial da "Milícia da Imaculada", que segundo uma plástica definição sua "é uma visão global da vida católica sob uma nova forma, que consiste na união com a Imaculada".
Toda a vida de Maximiliano Kolbe está marcada pelo encanto das "duas coroas" (branca e vermelha) que recebeu de Nossa Senhora. O branco e o vermelho, os símbolos da Imaculada e do Espírito Santo, da pureza e do amor, são as cores dessa vida exemplar, a bandeira de uma nova humanidade, mais autêntica e mais fraterna.
Maria é finalmente a resposta para todas as necessidades do homem. Trata-se de levá-La à todas as realidades da vida de hoje, para que Ela atue e construa uma cultura da Aliança com o Pai, por Cristo, com Maria na ação do Espírito Santo!
Ela deve estar a frente. Trata-se de levá-la "a todo lugar onde seja possível" e Ela irá atuar....
São Bernardino de Siena explica que a Graça Divina possui três graus de ordem. "de Deus, o Pai é comunicada a Cristo, de Cristo, ele passa para a Virgem Maria, e de Maria que vem a nós. "

São Maximiliano Kolbe salienta, "a partir do momento da entrada de Maria Imaculada na existência humana, ela estava em profunda união com o poder santificador do Espírito Santo. " Na verdade, a união com a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade era tão íntima que ela se tornou , de fato , o " Encarnação do Espírito Santo " Isso quer dizer que ela se tornou o instrumento usado pelo Espírito Santo para distribuir todas as graças destinadas por Deus Pai para toda a humanidade.

São Luís de Montfort , em uma passagem esclarecedora, explica como o Espírito Santo usa Maria para distribuir suas graças . "Para Maria, sua fiel esposa, Deus Espírito Santo comunicou os seus dons indizíveis: e ele a escolheu para ser a distribuidora de tudo que ele possui, de tal forma que ela distribui para quem quer, tanto quanto ela quer, como ela deseja e quando ela quer, todos os seus dons e graças. O Espírito Santo não dá dom celestial para os homens que não passe por suas mãos virginais . Esta tem sido a vontade de Deus, que quis que tenhamos tudo por Maria !

Maria tem sido chamado de mediador com o mediador . Cristo é o Mediador entre nós e Deus, o Pai , e Maria é a mediadora entre Cristo e nós!


Um comentário:

  1. Olá...que bom encontra você.
    Encontrei um pedaço de mim aqui.
    Sou devota de Nossa Senhora de Guadalupe, Maria no seu todo e esplendor.
    Ando em tempos de lutas, normais como sempre.
    Em verdade nunca fiquei muito tempo em paz.
    Vou ficar um pouco longe do meu blog para resolução de problemas...pq não consigo rezar com paz mais, estou em combate, deixou de ser espiritual, passou a ser mental e físico, se bem que o espiritual engloba o mental e o físico, nisso sou treinada, infelizmente.
    Sabe...adorei te encontrar...estou olhando agora para as minhas duas Nossas Senhoras queridas, de Fátima e Guadalupe.
    Se puder cante um canto por mim, mari.

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENÁRIO OU ESCREVA PARA NÓS PELO E-MAIL:
apostolosdarosamistica@hotmail.com